Comprar ou alugar um carro

Muito já se ouviu falar sobre alugar uma casa ou compra-la, mas e se você ou sua empresa deseja adquirir um carro, seja ele para uso pessoal ou para fins profissionais, você já chegou a pensar na opção de alugar ao invés de comprar?

Estou analisando isso nesse momento e quero compartilhar com vocês a minha analise. Gostaria de receber críticas e também possíveis erros e equívocos.

Vamos aos dados (no final do artigo deixo a planilha para download):

Depreciação: custo ou despesa decorrente do desgaste de um ativo imobilizado (máquinas, veículos, móveis, imóveis e instalações) da empresa;

Seguro: proteção do patrimônio adquirido ou acumulado;

IPVA: Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores é um imposto estadual, cobrado anualmente, cuja alíquota varia a cada Estado (de 1% a 6%) de acordo com o valor de mercado do veículo.

Licenciamento: procedimento que autoriza o veículo a circular pelas vias.

Seguro obrigatório (DPVAT): seguro que cobre vidas no trânsito, utilizado para indenizar vítimas de danos pessoais causados por veículos.

Manutenção: atividade que visa manter o bom funcionamento do bem para atender plenamento suas finalidades.

Custo de oportunidade: indica o custo de uma oportunidade renunciada, ou seja, quanto poderia ser obtido caso determinado gasto não ocorresse.

Documentação: procedimento burocrático para liberação de documento e emplacamento do veículo.

Sabendo o que é cada uma das despesas para manter um veículo, vamos aos números:

Depreciação: considerei a depreciação do veículo no primeiro ano de 10% e nos demais anos 5%;

Seguro: considerei um valor conservador para o veículo de 5% do valor de mercado do mesmo;

IPVA: considerei o valor de 4% (valor utilizado no Estado de São Paulo);

Licenciamento: valor fixo de R$ 59,33 (Estado de São Paulo);

Manutenção: 5% do valor de mercado do veículo (esse valor ínclui manutenção básica e troca de pneus);

Custo de oportunidade: 10,75% a.a. (líquido) (valor obtido em uma operação conservadora – Tesouro Direto);

Emplacamento: 3% do valor de compra do veículo;

Valor do aluguel mensal: R$ 1.500.

Tendo esses valores em mãos, vamos as contas:

Considerando o aluguel de 2 anos de duração (média dos contratos de longo-prazo), chegamos na seguinte conclusão:

- Comprando o veículo, teremos um custo total no valor de R$ 22.576,51;
– Alugando o veículo, teremos um custo total de R$ 36.000,00.

Vendendo o veículo após 2 anos e resgatando o investimento realizado, temos os seguintes valores:

- Vendendo o veículo: R$ 28.215,00;
– Resgatando investimento: R$ 41.692,53.

Considerando o valor que temos em mãos (venda do carro ou resgate do investimento), temos os seguintes valores:

- Comprando carro: R$ 5.638,49;
– Alugando o carro: R$ 5.692,53.

Como vemos, em 2 anos a diferença é mínima, porém estendendo o prazo para 10 anos (considerando que não iremos vender o carro no caso da compra e no caso do aluguel, ele será renovado):

- Comprando o carro: R$ -98.570,88;
– Alugando o carro: R$ -85.618,57.

Em 10 anos, alugando o carro, iremos economizar aproximadamente 13 mil reais!!!

Vantagens/Desvantagens de alugar um carro:

- Não precisamos nos preocupar com manutenções e podemos investir o valor que seria destinado para a compra;
– Não podemos realizar alterações no carro.

Vantagens/Desvantagens de comprar um carro:

- Somos responsáveis pela manutenção e administração do carro;
– Podemos configurá-lo da forma que desejarmos.

Esta é a análise que realizei, gostaria de receber críticas e sugestões.

Obs.: Não considerei teorias de contabilidade para realizar a analise e está analise não é uma indicação do que é melhor, cada um deve utilizar as informações da maneira mais conveniente possível.

Planilha para download, clique aqui.

Forte abraço a todos, fiquem com Deus.

Reduzir, reaproveitar e reciclar (3R’s)

Ouvimos muito sobre reciclagem, mas será que somente ela é suficiente para as soluções de resíduos?
Certamente não, uma forma didática de falar sobre isso é a utilização dos 3R’s: reduzir, reaproveitar e reciclar.

Vamos definir cada uma delas:

Reduzir: reduzir o consumo de produtos providos de recursos naturais ou que levam muito tempo para se decompor. Ex.: Petróleo e plástico.

Reaproveitar: é re-utlizar o produto para realizar alguma outra função, ou seja, sem transformá-lo em matéria-prima novamente. Ex.: balanço feito de pneu, latas para plantar flores, saco de supermercado como sacos de lixo.

Reciclar: reaproveitamente do material como matéria-prima para um novo produto.. Ex.: papel, vidro, metal e plástico.

Qual é a importância desses conceitos?

A proposta dos 3’Rs ajuda a compreender a importância de valorizarmos as fontes naturais não-renováveis e a conscientização da falta de espaço para a disposição de resíduos e outros dejetos na natureza.

Qual é o seu olhar sócioambiental? O que você faz para ajudar a natureza?

Forte abraço e fiquem com Deus!

CategoriasAmbiental

Psicologia Financeira

Hoje li uma matéria no portal G1 sobre um aposentado que comprou um carro no valor de $ 34 mil em moedas de 1 real!!! Clique aqui para ler a matéria na integra.

Fazendo calculos rápidos, cheguei a conclusão de que se o senhor citado na matéria acima tivesse colocado o dinheiro na poupança, o mesmo teria o valor de R$ 44 mil, ou seja, R$ 10 mil a mais do que o valor obtido guardando o dinheiro embaixo do colchão!

O senhor fez errado?

A resposta certa é, depende, não sei!

Primeiramente ele provavelmente não tem conhecimentos em investimentos, segundo, algumas pessoas tem dificuldade em entender que o dinheiro na poupança realmente existe, talvez por não ser abstrato, terceiro, insegurança com o governo e instituição financeira (por ser mais velho, tem o receio de ficar com o dinheiro bloqueado – Plano Collor).

Observando as pessoas no meu dia-a-dia vejo que muitas olham para o extrato da poupança (somente como exemplo), como algo sendo apenas números, não sabendo dar o verdadeiro sentido para aquela quantia, talvez se esse mesmo senhor tentasse juntar esse mesmo valor na poupança (para ter rendimento), ele não iria conseguir.

Podemos aprender com essa história também que quando temos metas, criamos estratégias para a realização das mesmas, o aposentado colocou como meta : comprar um carro para comemorar sua bodas de ouro, ele tinha o prazo e o que desejava comprar, partiu para a ação e conseguiu realizar seu objetivo!

Outro ponto que cito e já tive essa experiência, é que juntar dinheiro apenas por juntar (deixar acumular um valor no banco) não funciona, todo dinheiro guardado precisa ter sentido, seja ele uma viagem, troca de carro, fundo de emergência, aposentadoria…não importa para que é, mas sempre dê nome aos bois, caso contrário, você irá gastar esse dinheiro sem saber!!!

Como vocês criam metas? Costumam dar nomes ao dinheiro guardado?
Compartilhe conosco a sua experiência e metodologia!

Forte abraço e ótimo final de semana.
Fiquem todos com Deus!

CategoriasFinanças

Reflexões – Zona de conforto

Muito se lê sobre zona de conforto, que pode ser definida assim:

“As pessoas durante a vida costumam acomodar-se, refugiar-se em sua zona de conforto. Acostumam-se com certas rotinas e conformam-se a um determinado modo de vida.”

Isso é o que mais se lê por aí e se você perguntar para alguém sobre o tema, terá uma resposta bem próxima a isso.

Mas quem disse que isso é totalmente verdade?

Na minha humildade opinião a zona de conforto não existe, o que existe na verdade são objetivos a serem atingidos.

Vamos a um exemplo:

“Um senhor trabalha há 10 anos em uma empresa no mesmo cargo, muitos vão dizer que ele está em sua zona de conforto e por isso não busca se aprimorar e crescer profissionalmente”.

Se ele está nesse cargo há 10 anos, pode ter certeza que era esse o objetivo de vida deste humilde senhor.

Outro exemplo:

“Este rapaz entrou na empresa há 10 anos como estagiário e hoje é diretor!”.

Palmas pra ele? Não!!! O objetivo desse ambicioso rapaz é ser presidente, por tanto, ele ainda não atingiu seus objetivos, terá que estudar e se aperfeiçoar muito para virar presidente.

Quem é melhor? O senhor ou o rapaz?
Independente da dificuldade de se conseguir algo, o melhor na minha opinião é o senhor humilde que conseguiu atingir os seus objetivos de vida, enquanto o ambicioso rapaz precisa lutar muito para chegar onde se deseja.

O objetivo principal é você estar onde você quer estar, de forma confortável e com qualidade de vida!

Qual é a sua opinião a respeito do tema? Concorda?

Forte abraço a todos e fiquem com Deus.

CategoriasReflexões

Economizando nas compras

Depois de muito tempo sem postar, estou voltando para comentar sobre uma forma que utilizo para economizar ao comprar itens como:
– Eletro-eletrônico
– Cosmético/Perfumaria
– Carro

Sabe aquele seu vizinho, amigo ou parente que trabalha em uma grande multi-nacional que fabrica carros e outro em uma fábrica de eletros? Por que não comprar o carro com ele? Por que não comprar o perfume que gosta com a sua tia que é representante de cosméticos?

Vantagens:
– Descontos em média de 30%;
– Retirada do produto normalmente mais rápido;
– Garantia facilitada pelo fabricante;

Desvantagens:
– Depender de alguém;
– As compras na grande maioria são à vista (para alguns isso é desvantagem);

E você? Tem algum amigo que compra coisas baratas pra você? Como faz para economizar nas compras?

Um post rápido e simples, apenas para praticar a escrita e me forçar a voltar ao blog!
Forte abraço a todos e fiquem com Deus.

CategoriasFinanças

Investimentos

Dando sequência aos posts sobre finanças, hoje vou falar um pouco sobre investimentos.
Como citado no post anterior sobre finanças pessoais, comentei que aproximadamente 55% da minha receita mensal, é investida.

O que é investimento?
 Investir significa aplicar um determinado capital em algum meio que lhe proporcione o aumento deste capital.

Quais são as opções de investimentos?
 Existe inumeras maneiras de se investir, vou falar sobre investimento financeiro.
 Hoje no mercado, existem inumeras opções de investimentos financeiros, vou dividi-los na seguinte forma:
  - Renda fixa: são ativos cuja remuneração ou retorno de capital pode ser dimensionado no momento da aplicação. Os títulos de renda fixa são públicos ou privados, conferme a entidade ou empresa que os emite. Ex.: poupança, tesouro direto (títulos do governo), CDB, debêntures, etc.
  - Renda variável: são ativos cuja remuneração ou retorno de capital não pode ser dimensionado no momento da aplicação, negociados nas bolsas de valores, de mercadorias e futuros. Ex.: ações da Petrobrás, Vale, ouro.

Hoje meus investimentos estão distribuidos como segue o gráfico abaixo:

Na renda fixa, tenho apenas dois investimentos:
 - Poupança: a velha e famosa caderneta de poupança que todos nós conhecemos.
 - Tesouro direto (títulos do governo): títulos de renda fixa emitidos pelo governo para saldar dívidas, investir no país, etc.

Na renda variável, meu portfólio é mostrado abaixo:

São ações visando o longo prazo. Meus critérios de seleção são baseados na análise técnica.

Preciso diversificar mais meus investimentos, principalmente minhas ações, estou fazendo isso aos poucos, estou dando prioridade ao meu fundo de emergência.

E vocês? Já investem? Como está dividido os seus investimentos?

Forte abraço a todos.

CategoriasFinanças

Capacidade de persuasão

Hoje vou falar da importância da persuasçao para o empreendedor.

A palavra persuadir significa aconselhar, levar alguém a uma opinião.
Uma pessoa convencida pode ou não agir de acordo com as idéias de quem lhe convenceu, mas uma pessoa persuadida, mesmo não concordando inteiramente com o persuador, acaba fazendo o que este lhe pediu, de livre e espontânea vontade.
Portanto, persuadir é fazer alguém agir de acordo com seus ideais, a persuasão apela para a vontade e para as emoções das pessoas, enquanto o convencimento apela à inteligência e à razão.

Como persuadir uma pessoa?
Devemos sempre conquistar uma pessoa utilizando uma comunicação agradável, com um relacionamento de empatia e ao mesmo tempo apelando para suas emoções e vontade.

Quais são as técnicas para tornar-se persuasivo?
Existem pessoas que se guiam mais pela vontade, outras pela sensibilidade e inteligência, por tanto Aristóteles defende que devemos apelar para esses três aspectos da psicologia humana, dando ênfase naquele em que a pessoa for mais influenciável.

Sabendo de tudo isso, observamos que é de suma importância para um empreendedor, desenvolver sua capacidade de persuasão, munir-se de auto-confiança e capacidade de argumentação para convencer nossos clientes, fornecedores, parceiros e instituições financeiras de que nosso produto é viável e acreditamos na nossa idéia.

Forte abraço a todos!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.